QUISTO SINOVIAL NO PÉ

Quisto sinovial do pé

04 Dez QUISTO SINOVIAL NO PÉ

Um quisto sinovial é um tumor benigno de partes moles, de forma arredondada e de consistência mole.

 

ETIOLOGIA

A etiologia do quisto sinovial ainda é desconhecida. Inúmeras hipóteses foram formuladas ao longo dos anos, porém nenhuma tem comprovação definida.
As teorias mais cursadas estão relacionadas com o enfraquecimento capsular como resultado da pressão e a teoria da degeneração mixóide do tecido conjuntivo ligado à cápsula articular.

CAUSAS

A sua manifestação é ainda desconhecida no entanto o trauma e ou lesão por esforço repetitivo parecem estar na sua origem.
Estes quistos são formados por liquido sinovial translúcido e localizam-se nas articulações ou nos tendões.
As causas do quisto sinovial no pé; incluem alterações biomecânicas podais, tendinites e corridas com calçado inadequado.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico é essencialmente clínico, com uma história clínica detalhada e um exame físico podológico minucioso. Por vezes são solicitados exames complementares de diagnóstico como a radiografia e a ecografia para efetuar o diagnostico diferencial com outros tipos de tumores menos frequentes.
A radiografia geralmente não apresenta alterações, porém alterações degenerativas (desgaste) podem estar presentes. A ecografia geralmente identifica a origem e o conteúdo da lesão e oferece um diagnóstico preciso.

TRATAMENTO

O tratamento deste tipo de quistos especificamente no pé, inicialmente é conservador recorrendo à ortopodologia através da aplicação de uma ortótese digital e ou plantar e conjugar com o tratamento quiropodológico através da aspiração do liquido sinovial e posterior infiltração de corticóide.
A  função do tratamento ortopodológico é diminuir as cargas excessivas no pé devido a alterações biomecânicas passiveis de provocar trauma ou lesão.
O tratamento quiropodológico; permite esvaziar o quisto e a infiltração de um corticoide no local apenas reduz a inflamação.
Quando o tratamento conservador apresenta recidivas então o tratamento é cirúrgico.
Este procedimento – a exérese cirúrgica é efetuado através de cirurgia aberta ou  ressecção artroscópica(cirurgia minimamente invasiva) e é considerado o tratamento que apresenta menores taxas de recidiva.

PÓS CIRURGIA

Após a cirurgia, o paciente deve permanecer em repouso relativo com sapato pós-cirúrgico durante uma semana.
Esforços mais intensos, como exercício físico, deve ser evitado por um período de duas semanas.
O retorno gradual ás atividades desportivas, é encorajado a partir da quarta- quinta semana de pós-operatório. 

EXEMPLO REAL DA RECUPERAÇÃO DE UM PACIENTE DO CENTRO CLÍNICO DO PÉ

 



Loading...